>

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

O desafio de escrever sobrenatural


Que a literatura é um território livre, todo mundo sabe. É onde quem escreve se liberta, faz as regras, decide o que é certo e errado, proibido ou permitido, verdade ou mentira. Fernando Pessoa disse que a literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida, e estava certo. Onde costumo ignorar a vida por mais tempo é na frente do computador com o word aberto. Depois do Pôr do Sol é minha primeira aventura pelo sobrenatural e preciso confessar que estou amando. Sempre me senti livre escrevendo, mas quando o que escrevo entra no mundo do sobrenatural me sinto uma etapa mais longe dessa liberdade.




Mas infelizmente algumas barreiras tem sido colocadas para aqueles que – como eu – escrevem sobre os descendentes do conde Drácula. Tudo e qualquer coisa escrita com uma visão mais romântica ou modernizada que tenha vampiros como coo-protagonistas é imediatamente comparada com a saga Crepúsculo da Stephenie Meyer. Eu me sinto vítima constante dessa comparação infundada. É como se não existisse mais gênero/tema e enredo mas sim; Meyer e as outras escritoras. Está certo que tudo que for escrito sobre vampiros nos próximos dez mil anos será comparado com Crepúsculo.



O que para mim é injusto! Não importa se os vampiros que você escreve não brilhem, fujam do sol e durmam de dia. Se um deles se apaixona por uma humana e tente parecer um pouco menos assassino, cruel, cínico e sádico tentando parecer romântico e civilizado, acabou! Será imediatamente tachado como filhotinho da saga da Meyer. Mas creio – ou melhor tenho certeza – de que isso é apenas um reflexo da maneira como a literatura é tratada nos Estados Unidos. O país lança a cada ano dezenas – ou centenas – de livros inéditos.


Não sobrevivem, como o mercado editorial brasileiro, de frequentes reedições de autores consagrados do século XIX e de corridas alucinadas atrás dos direitos de publicação de livros estrangeiros. A maior parte dos lançamentos literários no Brasil são desse tipo (como se não houvesse vida inteligente por aqui ¬¬) apenas uma pequena parcela desse total são de corajosos autores independentes que pagam para terem suas obras publicadas. Esses muitas vezes são enganados por gráficas disfarçadas de editoras que ganham dinheiro ao “publicar” obras sem qualquer apoio de divulgação, lançamento, uma revisão decente e afins. Sem divulgação não tem como o livro ficar bem conhecido, concluindo; essas editoras gráficas ganham dinheiro em cima do sonho dos autores.


É até irônico ver como as editoras brasileiras correm atrás das sobras das grandes editoras estrangeiras quando muitos autores nacionais vivem correndo atrás e quase implorando para que essas mesmas editoras avaliem seu original. Mas é bem difícil que isto aconteça pois ao invés de estarem atrás de talentos nacionais, as editoras colocam em seus sites que não estão recebendo originais, isso porque estão usando o tempo para conseguir lançar aqui, o que as editoras internacionais deram crédito, avaliaram, revisaram e lançaram.

As editoras dos EUA lançam sucessos porque correm riscos. Não descartam um original de um autor desconhecido porque ele não tem nada publicado. Se quem avalia – quando valia – não gosta de um texto isso não quer dizer, necessariamente, que o público em geral também não vá gostar! Esse tipo de visão é curto e preconceituoso o que coloca esses avaliadores num raciocínio em círculo: só lançamos sucessos – o mercado dos EUA só lança sucessos – lançamos aqui só o que faz sucesso nos EUA – só lançamos sucessos. Entendeu o que estou querendo dizer?

Isso não tem lógica! Como editoras lá de fora darão crédito aos nossos escritos se os mesmos aqui são desvalorizados? Será que chegará o dia – utópico e glorioso – em que uma grande editora lá de fora se interessará em publicar por lá o que já fez sucesso aqui? Quem será o primeiro a ter a coragem de correr esse risco? Que editora irá perceber que dentro do seu próprio país existem escritores tão bons e em um nível intelectual e criativo semelhante à Agatha Christie e Sidney Sheldon? O Brasil não é o país dos iletrados sem talento. É o país dos autores injustiçados. Fica aqui meu desabafo.


                                                                                             A.R

9 comentários:

  1. Tristemente, tudo que você falou é verdade D=
    A Novo Século até abriu, mas cobra do autor pra publicar no selo Novos Talentos -.-'
    E a Fantasy (Leya mais Casa da Palavra) até estava recebendo originais... Só que receberam tantos que tiveram de falar que não estavam recebendo por uns tempos. E até agora não tem nem previsão de quando vai abrir de novo... -.-'
    E as outras (Rocco e cia) realmente, não devem nem abrir os originais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabi

      Infelizmente essa é a nossa realidade. Pessoas como nós, nascidas no Brasil não acreditam que possamos escrever bem. E as que aceitam é puramente por um interesse econômico, e é um alto preço.

      Excluir
    2. Acho triste a situação da literatura no Brasil como um todo. É um ciclo vicioso, em que por causa das escolas, os alunos ficam naturalmente com medo da literatura feita por brasileiros, afinal, é só no Ensino Médio que de fato pedem para ler, e pedem o que para quem geralmente nunca leu? Machado de Assis e outros (eu particularmente não gosto de Machado de Assis, e gosto de ler... Imagina quem não gosta o que acha...). Resultado: só compram livro estrangeiro, por que possuem uma linguagem mais fácil e um assunto mais interessante. Escrito por brasileiros, só livro de auto-ajuda, religioso e espírita que realmente vende.
      A Modo, lembrei agora, só publica livro nacionais. O preço é até acessível, mas por enquanto é difícil de encontrar D= (só achei Os Filhos do Tempo por enquanto, e na Nobel, que qualquer livro é os olhos da cara -.-') Mas é outra que teve de interromper o recebimento de originais por causa da alta procura...
      E, complementando da outra resposta: realmente, é graças à Internet conhecemos textos muito bons que seriam estrelas se nascidos nos EUA. ^^
      O problema é tempo pra ler tanta coisa boa t.t

      Abraços!

      PS: onde exatamente deixo meu email para receber o ebook do primeiro livro? *-*

      Excluir
    3. Falou tudo, Gabi. O ensino no Brasil já é ruim, tudo se resume a ensinar as pessoas a virarem uma massa de repetidores de informações sem estimulá-las a pensar, criticar, conhecer sabe? Concordo plenamente com você, não que eu não admire os autores clássicos brasileiros, mas... francamente eu não gostei dos que eu fui "obrigada" a ler no Ensino Médio. O publico leitor brasileiro está acostumado com a ideia de que aqueles do século XIX são os únicos autores de ficção brasileiros. E também que os poucos que conseguem publicar, não tem um bom trabalho de divulgação, né? Ah, tem um tópico na comunidade para o recebimento de emails (mas ninguém usa mais o Orkut, sniff) me passa seu email que eu ficarei muito feliz em te passar ele \o/ =D

      Beijinhos

      Excluir
    4. Meu orkut já deve ter umas dez gerações de teias de aranha... xD
      Nem me fale dos autores obrigadas... Pro vestibular tive de ler um chamado Minigrafias (as poesias mais sem noção que já vi na vida... Eu teria ficado feliz se pedissem Vinícius de Moraes), Murilo Rubião - Obra Completa (esse eu gostei e recomendo) e Memórias de um Sargento de Milícias (li na marra, porque achei o livro chato pra caramba '-')
      É triste esse trabalho de divulgação... É o autor que tem de fazer tudo sozinho, pelo que vi dos que conheço e conseguiram publicar (e que eu estou praticamente me matando pra conseguir comprar os livros... '-')
      Meu email é (não ria, eu o tenho há no mínimo oito anos '-') belinhabiele@hotmail.com xD
      Estou ansiosa pra ler *-* (aproveitar essa quase-uma-semana de recesso da facul pra tirar o atraso nos livros e nos estudos xD)

      Beijos!

      Excluir
    5. E eu nunca mais vou me esquecer de Quincas Borba (OMGGGGGGGGGGGG que chataaaaaaaaaaaaa =P) kkkkkkkkk e Iracema então?! (abafa o caso, graças que nunca mais vou ter que ler \o/) Mas Vinícius de Moraes é maravilhoso <3 Capaz que vou rir! Vou enviar o ebook e fico muito feliz com sua companhia aqui e por sua gentileza. Espero que goste da história e o livro 2 já está sendo postado aqui =D Vou lá enviar. Beijinhos =*

      Excluir
  2. Aproveitando pra avisar que recomendei o Saga Depois do Pôr do Sol para alguns selos *-*

    http://entredimensoesbooks.blogspot.com/2013/02/selos-selos-e-mais-selos.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OMG!!!!! Que fofa que você é <3 Obrigada por tanta gentileza, flor ^_^

      Excluir